sábado, 1 de outubro de 2011

Devocional de Outubro

 Igreja Queimada, Ivoti - RS

Quando sou fraco, então eu sou forte. Essa frase condensa um importante paradoxo do ensino cristão desde os primórdios. Podemos pensar que é preciso longo tempo de aprofundamento teológico para entender a questão. No entanto, experiências simples da nossa vida podem lançar luz sobre ela. As enfermidades podem ajudar neste caso. Isso mesmo. Uma pessoa centrada em si mesma, forte a seus próprios olhos e pretensamente auto-suficiente poderia passar toda a vida sem a oportunidade de refletir sobre suas concepções se não fosse agraciada com um problema de saúde. Enferma, presa a uma cama, contudo, essa pessoa tem a oportunidade de ser fraca, isto é, de perceber sua verdadeira fragilidade, que é, a bem da verdade, inerente a todo ser humano (e, a tudo que é criado). A doença pode ser um momento oportuno para que alguns "fortes" reconheçam sua fraqueza. O que essa pessoa fará depois de reestabelecida é incerto. Ela pode esquecer da reflexão que fez, das orações que solicitou, das lágrimas que derramou. Ou pode voltar-se de forma mais definitiva para o Eterno, reconhecendo que ela é, desde o nascimento, perecível como a erva do campo.

Fragmento de oração (junte este caco a outros tantos e construa sua prece):

Senhor, a vida e as relações humanas me levam a desempenhar um papel de força e suficiência. Mas eu não quero me deixar levar por essa ilusão de poder, pois sei que, na verdade, força nenhuma há em mim. Eu existo por Tua vontade. Eu sou perdoado por Teu amor. E sou salvo por Tua ação.


Nenhum comentário:

Postar um comentário