quarta-feira, 12 de outubro de 2011

A Couve e a Palavra de Deus: Seu alimento diário tem sido preparado de um modo saudável?


A Bíblia nem sempre está em sintonia com as recomendações dos nutricionistas atuais. Algumas metáforas sugeridas nas palavras sagradas seriam vetadas sem constrangimento em alguns programas de tv. Coisas gordurosas são associadas à fartura (Is 25:6). Nós, cristãos, somos chamados pelo próprio Cristo de "Sal da Terra". E se a Terra padecer de hipertensão? Por outro lado, há também referências aprovadas pelo crivo da saúde. A terra prometida mana leite e mel. O leite é uma boa fonte de cálcio (desde que você não seja resistente à lactose). O mel, por sua vez, uma privilegiada dose de vitamina do complexo B. Além disso, o consumo de peixes, que é altamente recomendável, era usual entre os que andavam com Jesus. Ah, ia me esquecendo de uma dica incrivelmente concorde: Deuteronômio 14:21 assevera que não se deve cozer o cabrito no leite de sua mãe. Generalizando a coisa, os sábios judeus consideraram impuro preparar qualquer alimento com carne e leite ao mesmo tempo (isso é sério, os ortodoxos não comem em lanchonetes que sirvam hamburgueres com queijo para evitar problemas!). E é fato hoje comprovado que o consumo de leite junto com a carne prejudica a absorvição do ferro desta.

Enfim, acho que as tensões e aproximações estão suficientemente exemplificadas. Vamos ao ponto do texto: apesar de a Bíblia nem sempre estar dieteticamente certinha para os padrões atuais, não deixa de ser sensato e até mesmo biblicamente coerente cuidar da alimentação, uma vez que dependemos do corpo para exercer a nossa vocação (seja ela qual for). E Paulo cuidou disso, ao recomendar a Timóteo um ajuste em sua dieta (Tm 5:23). Tanto nosso alimento espiritual quanto o material deve ser equilibrado.

Agora, cabe uma observação: Podemos lançar mão de um ótimo ingrediente, em si muito benéfico, e contaminá-lo com elementos nefastos que estragarão o prato final. Tomemos como exemplo duas coisas, uma material e outra espiritual: a couve e a Palavra de Deus.

A couve é rica em fibras, cálcio e ferro. Mas alguém pode refogá-la na gordura de porco e enchê-la de colesterol. Pode também agregar pedaços de linguiça defumada, dessas industrializadas e cheias de nitritos e nitratos (substâncias que podem estar associadas à formação de tumores malígnos). Na mente do cozinheiro, isso agradará seus convivas. Sim, encherá o prato de sabor, mas não propiciará boa saúde. Uma opção seria preparar a couve com pouco óleo em uma frigideira. Ou, no melhor dos casos, fazer como eu: Pique a couve fina. Leve a uma frigideira e ligue o fogo (sem óleo). Não pare de mexer. Quando a folha estiver um pouco macia, desligue o fogo, acrescente um fio de azeite extra-virgem (variável de acordo com a quantidade do vegetal) e mexa bem. Pronto, ela fica brilhosa, saborosa e saudabilíssima.

A Palavra de Deus, por sua vez, é o alimento espiritual perfeito. Ela nos adverte quando erramos, nos consola quando sofremos, e nos incentiva quando desanimamos. Mas muitos a tomam, picam e misturam com ingredientes muito prejudiciais, tais como: avidez por dinheiro dos outros, noções rasas de psicologia barata, moralismo exacerbado e implicante, ímpeto acusador, rancor, programação neurolinguística e outras porcarias do gênero. O prato final (que pode ser um sermão, um artigo de blog, um livro etc) vai parecer atraente e substancioso, mas está é repleto de substâncias que vão anular o verdadeiro sabor da Sabedoria Divina, e trazer danos a nossa vida. Não tenho receita certa para preparar uma exposição bíblica. Não posso iludir-me com a ideia de que sou capaz de apresentá-la pura, crua. Até porque a própria linguagem moderna é requisitada para a mediação, bem como saberes que contextualizem a Escritura e a tornem compreensível. Tenho tentado não errar a mão. E sigo no aprendizado, pois, de cozinha e do Eterno, a gente nunca se cansa de saber.

Que haja sabor! Mas que também haja um saber que nos conduza a uma melhor condição física e espiritual!

Saudações gastronômicas e fraternais,

Cesar

P.S. Sobre os nitritos, mencionados com respeito às linguiças, atente-se para o fato de que, além de possivelmente cancerígenos, eles podem ser especialmente maléficos para as crianças, nas quais, agindo sobre as hemoglobinas, causam metahemoglobinemia, o que impede que o oxigênio seja transportado normalmente pelo sangue (Disso eu soube lendo um artigo que está aqui).

5 comentários:

  1. Boas dicas Cesar.A palavra de Deus é o nosso alimento.Infelizmente muitos de esquecem disso.Não é sem causa observarmos dentro de nossas comunidades muitos que sofrem de inanição espiritual.
    Pelo menos uma vez por mês preparamos alguma coisa para compartilharmos no final da reunião de domingo a noite,antes fazíamos isso sempre no primeiro domingo do mês, depois percebi que entre nós existiam vários "crentes panquecas", "crentes salsichas","crentes pastéis", etc...
    Ainda preparamos essas só que não temos mas um dia fixo para isso.Um grande abraço e parabéns pela nova template do blog, ficou D+.
    Paz!

    ResponderExcluir
  2. Anselmo,
    Obrigado pela participação! A inanição espiritual é mesmo uma epidemia que se espalha rápido por aí.
    Isso da sua igreja é uma coisa muito interessante. Só mesmo um pastor cozinheiro para incentivar essas ideias saborosas. Agora, "crente panqueca" etc deve ter mesmo... Até eu, se estivesse passando e percebesse o cheiro lá de dentro, ia entrar todo primeiro domingo para confraternizar com os irmãos... hehehe. Brincadeira, é importante que desejem em primeiro lugar o Pão do Céu. Parabéns por essas belas iniciativas.
    Obrigado pelo elogio.
    Abraço,
    Cesar

    ResponderExcluir
  3. Adoro seus textos. O alimento estra pobre, não há uma alimentação de qualidade e isso tem prejudicado as ovelhas, muitas estão raquíticas fracas, sendo levadas a um quadro de enfermidade por falta de uma boa alimentação equilibrada, estão adoecidas, muitas estão mudas, cegas, aleijadas e surdas, já não entendem mais nada, vivendo em uma completa alienação. Paz!

    ResponderExcluir
  4. Muito bom. Parabéns, como sempre criativo.
    Gostaria de compartilhar um artigo postado no blog de nossa Igreja há algum tempo. Acredito que tem a ver com o tema, pois fala de obesidade espiritual, foi escrito pelo pastor Ismar Pinz.
    Segue o link:
    http://igrejaluteranagv.blogspot.com/2011/10/artigo-pastor-ismar-pinz.html

    Bom proveito a todos.

    ResponderExcluir
  5. Obrigado por compartilhar! Acabo de ler e é muito bom mesmo! Também recomendo!
    Abraço,
    Cesar

    ResponderExcluir